Em pronunciamento de rádio e televisão nesta quarta-feira, 8, o presidente Jair Bolsonaro defendeu a cloroquina e a hidroxicloroquina como principais apostas no combate à covid-19 no Brasil. Segundo ele, o remédio tem mostrado bons resultados com pacientes e citou o caso do cardiologista Roberto Kalil, do Hospital Albert Einstein, que usou o remédio no tratamento. 

O medicamento, que tem sido testado em vários países, ainda não teve sua eficácia comprovada por estudos científicos mais robustos. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda cautela no uso do produto, que já é usado contra lúpus e malária. O protocolo do Ministério da Saúde recomenda a cloroquina para casos graves, mas os médicos têm o direito de receitá-la para outros pacientes, desde que se responsabilizem por isso. 

Bolsonaro também disse que o governo federal não foi consultado sobre as medidas de quarentena adotadas pelos Estados e municípios e reforçou preocupação com o receio com a situação econômica do País. Ele tratou  novamente do pagamento de auxílio emergencial de R$ 600.