O Volkswagen Taos, cuja produção já foi iniciada na Argentina, será lançado em maio no Brasil por meio de pré-venda, mas as primeiras unidades serão entregues somente em julho. O modelo, que terá o Jeep Compass e o Toyota Cross como concorrentes diretos, será exportado para toda América Latina.

O Taos  ficará posicionado entre o T-Cross e o Tiguan e será equipado com motor 1.4 TSI, de 150 cv e 25,5 kgfm de torque, combinado com  a transmissão automática de seis velocidades.  O mesmo conjunto já utilizado em outros veículos da marca, como o T-Cross Highline, a dupla Polo e Virtus GTS, e até mesmo as versões de entrada de Jetta e Tiguan Allspace.

O modelo terá ilha digital com o painel Active Info Display e infotainment VW Play, nova assinatura noturna da marca que conecta os faróis com uma linha de luz de LED, faróis com tecnologia IQ.Light e iluminação ambiente com 10 cores. Tudo isso e mais serão apresentados na campanha de pré-lançamento que também vai ressaltar tecnologias exclusivas, design, segurança, conforto, conectividade e potência. A campanha digital terá cinco episódios que vão mostrar vídeos de 60 segundos, além de versões de 15 segundo

O Taos mede 4,461 metros de comprimento, 1,841 de largura, 1,626 de altura e 2,680 de entre-eixos. O porta-malas tem capacidade para 498 litros.  Com o modelo, a Volkswagen completa uma série de SUVs como Nivus, T-Cross, Tiguan e Touareg, na América Latina sob a estratégia “Ofensiva SUV”. Com essa nova estratégia modular, a VW pode incorporar mais modelos à fabricação Argentina no futuro.

No quesito segurança, o Taos será equipado com controle adaptativo de cruzeiro (ACC) com stop and go – caso o veículo à frente pare completamente e arranque em até 3 segundos, o Taos é capaz de realizar o mesmo movimento. Terá frenagem autônoma de emergência (AEB) com detector de pedestres e sensores que detectam ponto cego e tráfego traseiro. O SUV trará freio de estacionamento eletromecânico e com acionamento e destrave feitos de modo automático.

Investimentos

A produção do Taos na Argentina exigiu investimentos de US$ 650 milhões na fábrica de Pacheco, na qual também é produzida a picape Amarok,  para a implantação da Plataforma MQB-A e a construção de uma nova área de tintas com tecnologia exclusiva baseada em água no país que permite uma economia significativa de água e energia, além de seus baixos níveis de emissão de partículas (700 vezes abaixo do que a lei exige)

Esse investimento está alinhado com a estratégia do Grupo Volkswagen, que tem como um de seus principais objetivos aumentar a oferta de SUV do Grupo no mundo, juntamente com um processo de regionalização da marca Volkswagen, que visa estar mais próximo de seus clientes nos diferentes mercados a cada dia.