Fraudes, judicialização dos resultados da eleição e quebra de sigilo, com reforço à compra de votos e ao voto de cabresto, são alguns dos riscos técnicos acarretados pelo voto impresso, esclarece o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, crítico da adoção desse sistema de votação, no qual insiste o presidente Jair Bolsonaro (sem ...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários