Os documentos entregues pela defesa de Jair Bolsonaro ao Supremo Tribunal Federal (STF) mostram que o presidente utilizou como pseudônimos “Airton Guedes”, “Rafael Augusto” e “05” nos exames que deram negativo para coronavírus. Apesar dos codinomes, o CPF, o RG e os documentos informados nos papéis são de Bolsonaro. Os exames foram divulgados depois de o Estadão entrar com um...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários