A bilionária exposição de empresas russas à extensa dívida da PDVSA e o baixo custo-benefício de um apoio militar ao chavismo levaram o Kremlin a adotar cautela na crise venezuelana. Apesar da defesa pública de Nicolás Maduro, autoridades russas têm guardado silêncio sobre a crise desde o fim de janeiro e, nos bastidores, já aceitam abrir canais de diálogo com o opositor ...

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários