Barrado pelo Conselho Superior do Ministério Público Federal após ser indicado para integrar uma comissão sobre mortos e desaparecidos na ditadura, o procurador da República Ailton Benedito questiona a duração “infinita” do grupo. “Existe há 15 anos e até hoje não concluiu o trabalho”, disse em entrevista ao Estado. Ele recorreu nesta quarta-feira, 14, da decisão d...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários