O presidente da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás, Lissauer Vieira (PSB), diz que o governador Ronaldo Caiado (DEM) tem sido coerente, correto e duro na medida necessária para enfrentar o atual problema ante a pandemia do coronavírus. “Ele tem minha aprovação quanto a essas medidas que têm sido tomadas”. 

Na manhã desta quarta-feira (25), durante coletiva de imprensa, em resposta a pronunciamento feito ontem em cadeia nacional pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Caiado afirmou que Goiás continuaria a seguir as medidas previstas em decretos estaduais que preveem, entre outras ações, o fechamento de estabelecimentos comerciais considerados não essenciais e de escolas, no intuito de evitar aglomerações e frear a disseminação do coronavírus. Esse tipo de determinação, adotada também por outros governadores, foi criticada por Bolsonaro em seu pronunciamento. Na fala, o presidente chegou a defender a população a voltar para as ruas, com exceção dos grupos de risco. 

O presidente da Assembleia afirma que o governador goiano “atuou com rigidez, pulso firme, decretando quarentena” e avalia que a medida vem surtindo efeito, já que, comparativamente com os registros no Brasil, Goiás está com menos casos. Lissauer pontua que o que está se vendo é colapso em países onde não foram tomadas medidas firmes e menciona que o próprio ministro da Saúde, Luiz Mandetta, também informou que se não interrompesse a elevação da curva de transmissão da doença no País, o sistema público de saúde poderia entrar em colapso. 

“O governador é médico antes de ser político, conhece do sistema púbico de saúde, dos problemas que essa doença pode causar à população”, avalia Lissauer. Quanto à fala do governador pela manhã, o presidente cita que “nada mais é que valorizar a vida”.  

Ele afirma reconhecer que o Estado vai passar por momento de muita dificuldade e que ajustes precisaram ser feitos. “Porque a previsão orçamentária era uma, com essa situação instalada a realidade é outra de arrecadação”. Menciona que a Assembleia tem colaborado o máximo possível ante ao atual cenário, inclusive repassando R$ 10 milhões resultantes de economia do Legislativo goiano ano passado para ajudar no enfrentamento ao coronavírus. “Mas sabemos ser ainda um valor irrisório diante do tamanho do problema”.

Na tarde de hoje, a Assembleia Legislativa realiza sua primeira sessão remota, justamente em função da pandemia. Lissauer informa que na pauta do dia está a votação de matérias em regime de urgência e pertinentes ao enfrentamento do coronavírus, como os decretos de calamidade tanto do Estado de Goiás, quanto do município de Goiânia, esta aprovada ontem pela Câmara Municipal.