Apesar das tentativas de mudar o calendário eleitoral, os partidos já têm se programado para “salvar” a pré-campanha de seus candidatos nos municípios. É o caso, por exemplo, do PSDB. Ao POPULAR, o presidente tucano Jânio Darrot diz que a crise do novo coronavírus inviabilizou a pré-campanha, dada a dificuldade de fazer reuniões, e aposta nas redes sociais como forma de se comunicar com a população.

De acordo com ele, o meio político tenta se movimentar.” “As redes sociais são uma alternativa, assim como os próprios meios de comunicação tradicionais. Entrevistas para jornais e rádios, por exemplo. É o jeito, porque não vejo possibilidade de fazer pré-campanha no corpo a corpo neste ano.” Entretanto, o tucano pondera: “Apesar de possível, essa relação virtual, porém, não é a ideal. Fica uma relação fria.”

Pensamento semelhante tem Kátia Maria, presidente estadual do PT. “O contato é insubstituível, principalmente para o PT, que preza o diálogo pessoal, presencial. Estamos acostumados a fazer visitas. Mas isso já está prejudicado, então, estamos usando todas as plataformas para continuar o trabalho, fazendo reuniões on-line e utilizando as ferramentas das redes sociais. Estamos lidando bem. O importante é garantir a segurança das pessoas.”

Defensor das mudanças no calendário eleitoral, o deputado Waldir Soares classifica como insuficiente o uso das redes sociais como ferramenta para a pré-campanha. Presidente do PSL Goiás, ele diz que tem feito o trabalho de articulação política remotamente, sobretudo nesse período final do prazo de filiações, mas reclama: “Não é a mesma a coisa.”

ISOLAMENTO

Devido às medidas de combate à infecção do novo coronavírus, os partidos têm usado a tecnologia como meio de realizar, inclusive, atos de filiação. Esse deve ser o caso, por exemplo, do evento de filiação do senador Vanderlan Cardoso ao PSD, que deve ocorrer no próximo dia 27, on-line; e também do lançamento da pré-candidatura a prefeito de Goiânia do deputado Elias Vaz (PSB), ainda sem data marcada. A vereadora Cristina Lopes, que iria lançar sua pré-candidatura ao Paço goianiense pelo PL na quinta-feira (19), adiou o ato para o fim de abril.