Depois de informar que o porta-voz do presidente Michel Temer falaria com a imprensa sobre o estado de saúde do presidente, o Palácio do Planalto anunciou que a fala de Alexandre Parola foi cancelada e divulgou uma nota a respeito do estado de saúde do presidente.

De acordo com a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República, Temer teve um desconforto no fim da manhã de hoje e foi consultado no próprio departamento médico do Palácio do Planalto. "O médico de plantão constatou uma obstrução urológica e recomendou que fosse avaliado no Hospital do Exército, onde se encontra para realização de exame e devido tratamento", diz o texto.

Temer, que completou 77 anos em setembro, fez um check-up recentemente em São Paulo e, segundo seus auxiliares, o estado de saúde do presidente era normal. Temer cumpria agenda normalmente nesta quarta-feira, 25, dia que a segunda denúncia conter ele pode ser apreciada pelo Plenário da Camara dos Deputados.

A reportagem entrou em contato com o médico do presidente Jorge Kalil, diretor do hospital Sírio-Libânes, em São Paulo, mas ele disse que não poderia falar naquele momento.

Na porta do hospital, além de jornalistas, há cerca de 30 homens da Polícia do Exército. O senador Raimundo Lira, líder do PMDB no Senado, foi o primeiro parlamentar a vir ao hospital visitar Temer. Antes mesmo de entrar na unidade, ele disse que soube que o estado de saúde do presidente não é grave e associou a ocorrência ao "excesso de trabalho"'. Lira disse não estar preocupado e afirmou que espera que o fato não atrapalhe a votação na Câmara.