A avaliação acerca da performance dos programas de incentivos fiscais passou a ser feita no ano passado e o trabalho segue no governo atual, que realiza o encontro das informações dos processos de auditoria que são realizados.

O Programa Produzir, por exemplo, aprovou 2.107 projetos desde sua criação no ano 2000, dos quais 1.167 assinaram contratos com a Agência de Fomento de Goiás (Goiás Fomento). Todavia, hoje, apenas 450 empresas estão com benefícios em fruição. Ao todo, 178 municípios são contemplados – destaque para as Regiões Sul, Sudeste e Sudoeste. Levantamento do governo, que apontou
os 30 que apresentaram os maiores investimentos, mostra previsão da ordem de R$ 9 bilhões, mas foram comprovados através de auditoria da Secretaria de Economia,
R$ 3,5 bilhões. A grande diferença também se dá porque para iniciar a fruição do incentivo a empresa deve comprovar o mínimo de 20% dos investimentos. E várias empresas ainda não teriam completado auditoria de 100% do que foi projetado. A expectativa era de que 32.735 postos seriam gerados, mas até agora foram comprovados efetivamente por meio de Auditoria de Quitação (Caged) o total de 26.361 empregos. Essa expectativa
de emprego também
só seria contemplada
quando alcançassem 100% dos investimentos e os projetos geram expectativas de ICMS até 2032, segundo o governo.
De acordo com a Secretaria de Indústria, Comércio e Serviços, há empenho na atração de novos investimentos. Em nota, a pasta cita a assinatura de protocolo de intenções para instalação de 14 empresas em 12 municípios.