O governador Marconi Perillo anunciou nesta segunda-feira (10) a continuidade das obras do Centro de Excelências de Goiânia, paralisadas há 10 anos, ainda no início do seu segundo mandato. 
 
O projeto inicial foi concebido pelo governo em parceria com o Ministério do Esporte, que havia destinado R$ 11 milhões para a obra, questionada pelo Ministério Público Federal por suspeitas de sobrepreço e ausência de indicação dos serviços. Alguns itens estariam até 588% acima do preço de mercado. 
 
Ao comentar sobre a paralisação, Marconi Perillo a atribuiu ao seu sucessor e antecessor, o ex-governador Alcides Rodrigues. “Quando sai do governo em 2006, o meu sucessor derrubou o estádio. Depois com o embargo da obra pelo Ministério Público, ele acabou não tendo condições de realizar. E nós chegamos ao governo com total interesse para construir”, disse Marconi.
 
Ainda segundo o governador, para destravar as obras foi preciso cancelar o empenho com o governo federal, em virtude dos questionamentos do MPF. “Depois que conseguimos na Justiça o cancelamento no contrato anterior, o MP, ainda assim continuou fazendo uma série de exigências, por conta dos recursos federais. Chegamos à conclusão de que era mais rápido romper o contrato com o governo federal e viabilizar recursos estaduais”, conta.
 
O Centro de Excelência do Esporte terá quatro pavimentos onde serão abrigados vestiários, auditório, restaurante, salas comerciais, academia, administração, salas de aula, biblioteca e quatro quadras de futebol, handebol, basquete e vôlei.