"Maguito Vilela esteve na sede da OCB/GO no dia 2 de outubro de 2020, durante a campanha das eleições municipais, semanas antes de ser internado. Ele foi o primeiro candidato a prefeito a visitar a Casa do Cooperativismo na última campanha, para receber sugestões do setor ao plano de governo de Goiânia. Na ocasião, comprometeu-se a incentivar o cooperativismo na capital. E afirmou, com entusiasmo, que são inúmeras as áreas nas quais o modelo pode ajudar a ampliar a geração de emprego e renda. Prestamos condolências à família" 

Luís Alberto Pereira, presidente da seção goiana da Organização das Cooperativas Brasileiras 

 

"O Banco do Brasil lamenta o falecimento de Maguito Vilela, que foi vice-presidente de Governo do BB, entre 2007 e 2008, período em que prestou relevantes serviços à instituição. Tendo exercido cargos públicos há mais de 40 anos, Maguito Vilela esteve presente em momentos importantes da história recente do país, como prefeito, governador e parlamentar. O BB presta sua solidariedade à família e amigos neste momento de perda"

Banco do Brasil, diretoria de Marketing e Comunicação, Brasília (DF)

"A morte de Maguito abre muitas reflexões. Prefiro pensar na vida e não nas disputas políticas. É absoluto destaque jornalístico. Porém é mais um ser humano, como qualquer um de nós... Entra pro quadro atual de mais de 7 mil mortes em Goiás. Seja alguém 'importante' ou não, são vidas ceifadas pela realidade brutal que o mundo vive desde a descoberta da covid-19. Não cabe a hipocrisia nem a desumanidade de celebrar ou polemizar sobre a vida ou a morte de um paciente. É sujar a ciência política, cujo sentido maior é tornar a civilização mais humana e menos cruel. Viver requer dignidade humana. Só assim podemos nos assemelhar a Deus. Qualquer um de nós pode estar vivo ou morto daqui a uma hora. Daí a  vida continuará ou cessará para alguém. Mais do que estatística é vida. E a política só tem sentido se for usada inteiramente a serviço dela"

Marcos Gomes, escritor, Setor Bueno

"Maguito Vilela, verdadeiramente um guerreiro de Deus. Exemplo de luta , não renunciou nem no leito à espera da Vontade de Deus. Como era alegre. Ao me ver, pronunciava meu nome bem alto e me dava um longo abraço. Convivemos muito tempo no meio político e me deu muito apoio quando fui vereador por Goiânia. Tinha um projeto de vida , onde a política era o instrumento para fazer o bem para os outros, principalmente para os mais humildes. Deixou um grande legado. Era um dos últimos políticos com esse admirável perfil na dedicação incansável ao bem comum, bem do outro e não seus bens."

Euripedes Leoncio, professor, mestre em Literatura, Brasília (DF)