O apresentador José Luiz Datena (PSL) afirmou que é pré-candidato à Presidência da República pelo PSL. Segundo ele, “por enquanto”, é o único candidato da sigla. Seu nome é cotado como uma possível 3ª via à polarização entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ex-presidente Lula (PT).

“Fui apresentado pelo presidente do PSL – pelo [Luciano] Bivar – e pela executiva nacional como pré-candidato e, por enquanto, sou o único pré-candidato pelo PSL. Se houver uma convenção, escolherem outro… Por enquanto, sou candidato”, afirmou Datena ao jornal O Estado de S. Paulo, em entrevista publicada nesta quinta-feira (15).

Apesar de afirmar ser pré-candidato à Presidência, o apresentador também disse que não perde o foco no Senado e que é “muito bem avaliado” para um possível cargo na Casa. “Não adianta querer ser alguma coisa se não tiver apoio popular. Também não seria idiota de partir para eleições cujo ambiente político possa estar polarizado”, afirmou.

Datena disse que as pesquisas indicam que Bolsonaro está perdendo votos, o que possibilitaria uma 3ª via. Mas se a eleição for polarizada, ele não vai tentar uma candidatura para presidente.

O apresentador de TV disse ainda que sua candidatura agora é diferente das outras vezes. Em 2016 Datena anunciou ao vivo que não seria candidato a prefeito de São Paulo. Em 2018, era cotado para ser candidato a senador, mas não concorreu. Seu nome também circulou em 2020, mas ele ficou novamente fora da disputa pela prefeitura da capital paulista.

Segundo Datena, ele não sentia segurança nas pessoas que estavam nos projetos anteriores. “Não adianta você ser eleito com gente que você não confia. Essas pessoas com quem eu conversei no PSL me dão segurança”.

O apresentador afirma que por mais que o partido tenha divisões, Bivar é o “líder total” do PSL. “O Bivar me garante que hoje o partido está unido em torno de ideias da sequência de um processo democrático no Brasil, sem se ameaçar instituição, sem se agredir princípios de imprensa. Enfim, respeitando-se as instituições.”

Datena afirmou também que nunca teve uma relação próxima com Bolsonaro e que atualmente está distante tanto de Bolsonaro e de Lula. “Tive uma relação mais próxima com o Lula do que com o Bolsonaro”, disse. “Com Bolsonaro não tenho nenhuma relação que não seja profissional.”

O apresentador indicou ainda que não apoia o impeachment do atual presidente. “O estamento burocrático do impeachment é desgastante para nossas instituições”, disse. Datena afirmou que as instituições funcionaram nos casos de impeachment anteriores, “por pior que possa ter parecido”, mas que caso Bolsonaro tenha prevaricado “é claro” que um processo de afastamento será aberto.

Datena afirmou que considera as falas antidemocráticas de Bolsonaro “lamentáveis”. Mas que “isso é mais arroubo do presidente do que qualquer coisa”.