Um dilema ronda o campo progressista: sob a guarida da esquerda, as pautas identitárias emergiram com força na última década, mas elas são um espantalho eleitoral num país que já pendia ao conservadorismo antes mesmo da ascensão evangélica. Seria o caso de deixá-las em segundo plano como estratégia para recuperar o Palácio do Planalto? Dirigentes do PT reconhecem que a ...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários