A Assembleia Legislativa de Goiás iniciou processo para pagar o chamado auxílio-mudança para os deputados estaduais, no valor de um salário (R$ 25.322,20 brutos). Até a tarde desta segunda-feira (11), apenas um deputado, o Delegado Humberto Teófilo (PSL), protocolou ofício dispensando o benefício.

Caso os outros 40 parlamentares aceitem o auxílio, o gasto do Legislativo será de pouco mais de R$ 1 milhão.

O pagamento de salários extras anuais (14º e 15º, que eram chamados de auxílio-paletó) gerou grande polêmica em 2012 e foi extinto por decisão judicial. Em janeiro de 2015, porém, nova lei foi aprovada no Estado garantindo um pagamento extra ao final e ao início de cada legislatura (quatro anos).

O artigo 2º da Lei número 18.758/2015 estabelece que "é devida aos deputados estaduais, no início e no final da legislatura, ajuda de custo equivalente ao valor do subsídio, destinada a compensar as despesas com mudança e transporte". O argumento da Casa é que há paridade com o Congresso. Os deputados estaduais que encerraram o mandato em janeiro também receberam o auxílio.

De acordo com a direção da Casa, o pagamento para a nova legislatura só ocorrerá agora por conta da demora na aprovação do Orçamento e o processo de empenho para liberação da despesa.