No primeiro semestre de 2017, a Câmara se viu dividida em relação à aprovação do Conselho Municipal de Direitos Humanos LGBT. O projeto, de autoria da então vereadora Tatiana Lemos (PCdoB), foi aprovado em primeira votação, numa jogada frustrada dos vereadores que eram contra e tentaram esvaziar a sessão. Mas foi rejeitado na segunda. Tatiana hoje é secretária municipal...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários