Apesar de comemorar a decisão liminar do Supremo Tribunal Federal de aplicar já nas eleições de novembro a exigência de divisão equânime das verbas eleitorais entre candidatos negros e brancos, líderes de movimentos pela igualdade racial dizem temer que, sem uma lei aprovada pelo Congresso Nacional, haja maior margem para burla. Na quarta-feira (9), o ministro Ricard...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários