Todos os garotos da minha geração brincaram de mocinho e bandido. A coisa consistia em um perseguir o outro num cavalo imaginário e “rendê-lo”, mandando-o levantar os braços diante de um revólver também imaginário – ou não. Alguns dos meninos, como eu, ganhavam, no Natal ou no aniversário,…

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários