Chile paga seus pecados

Menos de 2 meses após a erupção da violência popular no Chile, que a muitos surpreendeu, marchas diárias continuam sendo convocadas, saques e ataques a prédios públicos apenas diminuíram e o bilionário presidente Sebastián Piñera (hoje com 12% de aprovação popular)…

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários