Ao morrer, há dias, João Gilberto não deixou muito de seu no flat onde morava, de aluguel, no Leblon. Ouvi falar de uma gaveta cheia de pijamas, um exemplar do LP Chega de Saudade, de 1959 (que dividiu sua vida em antes e depois), e, na garagem, talvez um carro (sem gasolina). Mas deixou…

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários