Os ramos da paz

"Não há como concordar com vencedores e vencidos nessa desumanidade de uma pirâmide social tão perversa”

Fresca e clara manhã de domingo. A velha cidade desperta sob o murmúrio de seus regatos, um poema de Erico Curado diz que se assemelha a uma vila da…

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários