No ano do vírus, que por razões óbvias é a palavra dominante, os termos “reforma” e “teto” fizeram-lhe bastante concorrência no vocabulário político-econômico deste Brasil das narrativas cada vez mais obsessivas. Não que sejam indevidas ou desnecessárias, entretanto, como sabemos, toda…

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários