Goiânia se somou ontem ao conjunto de cidades que, pelo mundo afora, elegeu os canudos plásticos como inimigo número 1 do meio ambiente, banindo-os de seus estabelecimentos comerciais. A lei, que determina a troca do item por recicláveis, biodegradáveis ou comestíveis, foi aprovada por unanimidade pelos vereadores.

Os números que baseiam esse movimento planetário impressionam: só nos Estados Unidos, mais de 500 milhões de canudos plásticos são utilizados diariamente, de acordo com uma pesquisa do governo local. O Fórum Econômico Mundial relata a existência de 150 milhões de toneladas métricas de plásticos nos oceanos. Caso o consumo de plástico siga no mesmo ritmo de hoje, cientistas preveem que haverá mais plástico do que peixes no oceano até 2050.

Porém, é forçoso reconhecer, o canudo está longe de ser o principal problema quando o assunto é poluição por plásticos. Trata-se de um gatilho para discussões mais profundas – e, por ser um item dispensável na rotina das pessoas, acaba sendo o alvo preferencial da vez.

Cabe à sociedade como um todo dar prosseguimento à reflexão sobre o impacto ambiental no seus hábitos de consumo, para que a lei não reste como uma ação isolada.