Num ambiente polarizado e intelectualmente desonesto, até as ciências exatas se tornam uma questão de opinião. Em que pese o esforço retórico, porém, os números confirmam a lentidão da vacinação no País. Para conter a pandemia em até um ano, a vacinação precisaria chegar a 2 milhões de pessoas por dia, de acordo com os cálculos de estudo das universidades federais de Juiz de Fora e São João del-Rei divulgado essa semana.

Com média de 185 mil imunizações por dia — considerando as 5.756.502 de doses aplicadas entre 18 de janeiro e 19 de fevereiro —, o Brasil precisaria aumentar 10,7 vezes a quantidade de pessoas vacinadas por dia para conter a pandemia em um ano.

Ontem, o Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria para autorizar Estados e municípios a comprar e distribuir vacinas. Com a decisão, prefeitos e governadores poderão adquirir os imunizantes caso doses do Programa Nacional de Imunização sejam insuficientes.

Independentemente da saída para tão urgente questão, fica patente a necessidade de acelerar de forma coordenada a imunização coletiva no Brasil, sob pena de a situação se prolongar para além do necessário.