Algumas iniciativas precisam ser destacadas pela simplicidade com que provocam considerável impacto social. Reportagem nesta edição mostra que Goiás vai encarar um desafio sempre negligenciado. Parceria entre cooperativas de catadores, Universidade Federal de Goiás, Ministério Público, Agência Municipal de Meio Ambiente e Fundação de Apoio à Pesquisa (Funape) permite a instalação de uma estrutura capaz de reciclar até 400 toneladas do produto por mês.

Trata-se de uma atividade que absorve mão de obra sem especialização específica, promovendo ganhos sociais. Além de agregar valor ao material da coleta, o resultado ambiental é integral, pelas características do material. O vidro pode ser reciclado por infinitas vezes, sem qualquer impacto no produto final. A economia energética é outro fator de grande importância indústrias.

O vidro triturado para a reciclagem derrete a uma temperatura inferior e mais rápido do que a fusão de matéria-prima original, reduzindo em 2,5% o gasto com energia nos fornos industriais, segundo estudo da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. É por tudo isso que a iniciativa merece ser destacada hoje e potencializada no futuro.