É consenso entre urbanistas que um plano de arborização urbana, executado com rigor, é fundamental para o bem-estar. As árvores elevam a permeabilidade do solo e ajudam a controlar a temperatura e a umidade do ar, sem falar da redução da poluição, inclusive sonora. Portanto, não basta só cobrir as cidades de verde. Do espaço adequado para o crescimento às espécies nativas, tudo deve passar pela consideração prévia ao plantio, para que os benefícios sejam efetivamente colhidos.

Nos próximos dias, Goiás passa a abrigar um espaço para pensar essa importante questão. Trata-se do programa Cidades Verdes, idealizado pela Crea-GO e executado em parceria com a prefeitura de Aparecida de Goiânia. Reportagem na edição de quinta mostra que, num espaço de 1,9 mil metros quadrados no Mansões Paraíso, o Viveiro do Cerrado vai cultivar mudas de espécies nativas, que serão distribuídas mediante orientação à população. O espaço também vai abrigar oficinas ambientais, para espraiar o conhecimento a respeito de um tema central na qualidade de vida. Num momento em que esse debate também se subordina à guerra ideológica em curso no País, a educação volta a se impor como antídoto ao obscurantismo.