Se fosse feito um inventário das razões pelas quais Goiânia é reconhecida como uma capital exuberante em qualidade de vida, as entranhas verdes do Parque Areião teriam lugar de absoluto destaque. É lastimável, pois, que tal espaço privilegiado, incomum em áreas densamente habitadas nas grandes cidades, ofereçam riscos aos que lá caminham.

Reportagem na edição de ontem registra, inclusive em imagens, a existência de buracos e desníveis nas pistas que cercam a vegetação do interior do parque. Erosões são observadas ao longo do trajeto. O espaço do Setor Pedro Ludovico sofreu, no final de 2017, um incêndio de causa provavelmente criminosa. Desde então, tem passado por um processo de revitalização, cujos resultados são perceptíveis, sobretudo na área da Vila Ambiental.

A Agência Municipal de Meio Ambiente prevê a conclusão dos trabalhos ainda para esse semestre.

De fato, obras públicas interferem de forma dramática na rotina. É um sacrifício que em certa medida se justifica pelo benefício futuro. Entretanto, por se tratar de local amplamente visitado, roga-se pelo cumprimento dos prazos do trabalho e observância das condições gerais de uso do Areião, até como forma de assegurar a segurança de todos que têm o privilégio de frequentar o parque.