A escalada da violência patrocinada pelo crime organizado exige como resposta do poder público uma ação estratégica efetiva e conjugada. O Conselho Nacional Justiça (CNJ) recomendou esforço de especialização semelhante ao já levado a cabo pelos ministérios públicos e forças policiais e, segundo reportagem nessa edição, Goiás passará a contar com uma vara dedicada a delitos dessa natureza.

A Vara dos Feitos Relativos a Delitos Praticados por Organização Criminosa e de Lavagem ou Ocultação de Bens, Direitos e Valores nasce com o mérito de lidar com ações de grande complexidade, envolvendo grande número de réus e volumosas quantias em dinheiro. Ao todo, 400 ficarão a cargo dessa nova estrutura num primeiro momento.

Com esse movimento, o Tribunal de Justiça de Goiás se soma a um esforço necessário, mas que evoluía lentamente. Ano passado, levantamento da Transparência Internacional indicava que somente sete Estados tinham acolhido a recomendação do CNJ, feita em 2006.

Se a resposta à barbárie é mais civilidade, uma Justiça eficiente é o meio mais contundente de transmiti-la.