Duas notícias veiculadas ontem mostram que, embora a epidemiologia esteja sempre submetida a variáveis, o esforço coletivo, com enormes sacrifícios econômicos, começa se refletir nos índices de saúde pública. Em Goiânia, conforme noticiado aqui no POPULAR, dois dados indicam a formação de um cenário favorável.

A taxa de contágio, que indica quantas pessoas cada indivíduo contaminado infecta, caiu de 1,05 para 0,94 em uma semana. Abaixo de um, há tecnicamente um controle sobre a pandemia.

O percentual de testes positivos também reflete uma informação desejada, embora ainda com muito espaço para se avançar. O índice caiu de 40% no dia 17 para 24% no dia 27 ainda alta, visto que Organização Mundial de Saúde (OMS) só vê estabilidade abaixo de 5%.

Em São Paulo, as internações em UTIs de Covid-19 caíram nos últimos seis dias. O número total de pacientes em UTIs cresceu a 2,6% ao dia entre 6 de março e 20 de março no estado; na segunda-feira, caiu para 0,7% ao dia.

Os números estão longe de indicar relaxamento de medidas, mas, no meio a uma exaustão permeada de desesperança, a noção matemática do valor de nossas renúncias dá ânimo ao enfrentamento.