Num momento em que a narrativa busca incessantemente suplantar a realidade, numa estratégia para a obtenção de dividendos eleitorais, cumpre papel civilizador aquele que enaltece as conquistas da ciência. Os métodos científicos não são verdades incontestáveis, podem e devem ser contestados mediante dados obtidos em respeito aos mesmos rigores e princípios. Mas jamais devem ser contrapontos com opiniões, por vezes carentes de sinceridade, simplesmente por conveniência política.

Caso concreto veio do interior de São Paulo.
Oito semanas após a vacinação que atingiu 95% da população adulta, o município de Serrana reduziu em 95% as mortes pela doença. O chamado projeto S, idealizado pelo Instituto Butantan, analisa num amplo espectro o impacto e a eficácia das doses. Pesquisadores conseguiram observar uma queda significativa no número de novos casos sintomáticos de Covid e de hospitalizações quando 75% da população elegível foi totalmente imunizada.

Os dados animam não só pelo óbvio benefício aos moradores, como por oferecer elementos muito concretos para contrapor a enxurrada de mentiras e distorções feitas para desacreditar a ciência. A vacina também imuniza contra a desonestidade intelectual.