Na teoria, a organização democrática do Brasil condena o vice a um papel meramente figurativo, na medida em que não prevê funções executivas para o cargo. Na prática, a julgar pela história recente, essas pessoas também ungidas pelo voto dado ao cabeça de chapa assumem protagonismo, sobretudo em momentos de turbulência. Com o pastor Rogério Cruz não foi diferente. Além dos 277.497 votos digitados na urna eletrônica, foram as circunstâncias que o conduziram à cadeira de prefeito de Goiânia, cidade onde, fora dos círculos da Igreja Universal do Reino de Deus, é pouco conhecido.

Tido como um carioca discreto e devotado às tarefas confiadas pelo “grupo”, que é como ele se refere ao conglomerado formado pela Universal, Grupo Record e partido Republicanos, Rogério Cruz agora vê passar pelas suas mãos decisões que impactam a vida de centenas de milhares de goianos. Mas quem é Rogério Cruz, afinal? Imbuído desta pergunta, o repórter especial Márcio Leijoto fez entrevistas e assistiu horas de vídeo para compor o mais completo perfil do prefeito desconhecido.

Fica posto o desafio de ver como o homem que sempre foi do “grupo” vai agir tendo responsabilidades sobre todos. Boa leitura!