Publicado toda terça-feira na capa de O POPULAR, o vacinômetro exige muito boa vontade para que um desânimo não se instale. O quinto mês do ano já começou e só 13,11% dos goianos receberam a primeira dose do imunizante.

Se levarmos em conta a dose suplementar, que garante mais proteção, são 6,6% da população. Um ritmo muito aquém daquele necessário para acabar com a letargia que ora imobiliza vidas e trava a economia.

Reportagem nesta edição, porém, traz um leve alento, na medida em que a capital vai ampliar de 12 para 24 postos de vacinação contra a Covid-19 a partir de hoje, com a chegada da vacina da Pfizer, cujas peculiaridades de refrigeração impedem aplicação em drive-thrus e escolas. Trata-se de um ensaio importante para um desafio grandioso que está por vir. Quem tem diabetes, hipertensão, doenças renais ou outra comorbidade que pode aumentar a gravidade da Covid deve ser chamado este mês para a vacinação.

É fundamental, pois, que, além da estrutura de acolhimento, eventuais fraudes sejam combatidas. Só assim o vacinômetro vai trazer alguma esperança onde hoje só há desolação.