Alterações de rotina são sempre traumáticas, mas o impacto inicial não deve ser tomado como definitivo, sem que antes se lance um olhar de longo prazo. Reportagem na edição de ontem dá conta dos planos da Secretaria Municipal de Trânsito, Transporte e Mobilidade (SMT) de Goiânia de eliminar os semáforos com três tempos das ruas da capital. A razão, que encolhe o leque de possibilidades do transporte individual por carro, seria a melhoria das condições de tráfego ao ônibus.

O método já foi implantado nas Avenidas Castelo Branco e Anhanguera, próximo da Avenida Consolação, gerando descontentamento. Porém, se amparado em estatísticas confiáveis e medidos os resultados, a decisão se mostra estrategicamente inteligente.

Um transporte público caro e de má qualidade provoca exclusão social, na medida em que a lentidão das cidades deixa-as menos interessantes para investimentos. Ônibus é o meio de transporte essencial para que as pessoas tenham acesso ao emprego, renda e demais serviços na cidade.

Portanto, o movimento ora feito vai no sentido de compensar, no futuro, o sacrifício exigido hoje do condutor de carro.