Na semana em que eclodiu a violência do DJ Ivis, cuja agressão contra a ex-mulher foi registrada em vídeos, eleva-se a importância de se debater os mecanismos legais de proteção às mulheres. Reportagem nesta edição mostra que, dois anos após a Justiça obrigar o piloto de avião Victor Junqueira a se mudar de Anápolis, a ex-namorada, advogada Luciana Sinzimbra, precisa reiterar o pedido na Justiça para que a medida seja respeitada. Num Estado onde 43 mulheres registram ocorrências de ameaça a cada dia, isso deveria ser automático.

No Senado, aguarda votação o projeto do goiano Luiz do Carmo (MDB-GO), que aumenta a pena para quem descumprir medida protetiva de urgência nos casos de violência doméstica e familiar, penalidade já prevista na Lei Maria da Penha, de 2006. A alteração do artigo 24-A determina pena de detenção de dois a quatro anos para agressores que não observarem condições impostas judicialmente para preservar a mulher, como afastamento do lar e respeito ao distanciamento da ofendida, de seus familiares e das testemunhas.

Ainda não há data prevista para votação desse projeto, mas os acontecimentos recentes mostram a pertinência desse debate.