O Brasil convive hoje com uma das frotas mais envelhecidas de sua história, aponta o mais recente relatório da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), consolidado ano passado. A idade média da frota nacional de ônibus, em torno de 107 mil veículos, fica em cinco anos e dez meses. É a maior idade média da série histórica apurada pela entidade desde 1994, superior aos picos atingidos após a crise econômica sofrida na segunda metade da década de 1990.

O envelhecimento dos veículos prejudica tanto as empresas quanto os passageiros. São cerca de 1,8 mil operadoras de transporte público no País, arcando com custos mais elevados de manutenção e quebras de veículos mais frequentes. Reportagem nessa edição mostra que a Metrobus não foge à tendência.

A Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos fez 1.405 autuações contra a empresa, que tem 65% da frota com mais de 8 anos. Essa semana, uma roda se soltou em plena Plataforma do Lago das Rosas.

Segundo a NTU, só São Paulo e Brasília têm hoje subsídios que permitem investimentos. Isso fica posto que o debate sobre o financiamento do transporte coletivo, de modo a consolidá-lo como alternativa confiável, está longe de se encerrar.