Gratidão é um dos mais nobres sentimentos do ser humano. Demonstrá-la é gesto que carrega respeito e amor, admiração e reconhecimento, tem fortes e positivos significados. Manifestar essa sensação enriquece quem a pratica e valoriza aquele que a recebe.

Mas, apesar de tão engrandecedor, nem sempre é um ato colocado em prática. Paira no ar certa resistência, uma espécie de vergonha em demonstrar esse carinho.

Exemplo recente é o caso da constrangedora retirada do nome do jornalista Washington Novaes de um parque inaugurado no ano passado no Conjunto Vera Cruz II. A justa homenagem reverenciava quem muito fez pelo meio ambiente, em especial pelo Cerrado.

Pioneiro no debate das questões ambientais, Washington Novaes escolheu Goiânia para viver e daqui difundiu para o mundo a beleza e importância do nosso bioma. Trabalho reconhecido aos quatro cantos, mas que por essas terras não recebe os aplausos que merece. E quando surge a oportunidade de minimizar esse esquecimento, aparecem aqueles que desconhecem ou menosprezam uma vida dedicada a algo tão importante.

A homenagem a Washington Novaes não impede que outros nomes que mereçam igual tributo sejam agraciados. Há espaço para todos, mas respeitar a história e o trabalho de profissional tão importante é fundamental.