O tráfico sofreu dois importantes golpes em território goiano, de duas diferentes frentes da segurança pública, o que só valoriza a autonomia e a articulação das instituições. Ontem a Polícia Rodoviária Federal (PRF) fez a maior apreensão de maconha do Estado, tirando de circulação impressionantes 14 toneladas da droga.

O entorpecente estava escondido em uma carreta que transportava óleo e ração, diz a PRF. Um dia antes, na quarta-feira, a Polícia Federal desmantelou uma esquema de lavagem de dinheiro da quadrilha de um megatraficante, cujos tentáculos parecem se alastrar pelo poder público. A compra de negócios de fachada era uma prática recorrente do grupo. O mérito da operação está justamente em estancar essa estrutura monetária que dá sentido aos crimes praticados pelo tráfico.

O combate efetivo ao narcotráfico passa por um trabalho de inteligência fundamental para descobrir rotas e estancar as remessas de drogas que entram e saem pelas fronteiras do Brasil.

Estudos do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República indicam que mais de 80% dos crimes violentos registrados no Brasil têm relação direta com o narcotráfico. É fundamental, pois, esse combate.