O Brasil ultrapassou a marca de 1 gigawatt de potência instalada em micro e minigeração distribuída de energia elétrica, aquela que o próprio consumidor, inclusive residencial, pode gerar a partir de fontes renováveis ou cogeração qualificada e fornecer o excedente para a rede de distribuição de sua localidade. Diversos fatores podem ser apontados para este aumento significativo no número de instalações. Um deles é a maior oferta de linhas de financiamentos em energia solar por bancos públicos e privados.

Para os especialistas, a queda de 12% nos custos dos kits de energia solar refletida no primeiro semestre e, por outro lado, o alto preço da energia no Brasil têm contribuído para que milhares de consumidores optem pela energia solar em sua casa ou empresa. Reportagem nesta edição mostra que Goiás também contribui para essa tendência, mais que dobrando a potência instalada desde janeiro deste ano. Foram 2.132 novas conexões.

A adesão entusiasmada revela o acerto da política pelo barateamento dos kits, até então barreira para o investimento. O cenário permite que, enfim, o Estado em especial e o País como um todo possam aproveitar o potencial que vem do céu.