A data é apenas simbólica. O Dia Internacional da Mulher serve como uma oportunidade de reflexão sobre as agruras e as conquistas femininas ao longo dos séculos. É isso que O POPULAR faz nesta edição. O jornal relata os números crescentes da violência, um fantasma que assombra o cotidiano de milhares de mulheres, relegadas à condição de objeto. Outra reportagem, em formato de caderno especial no Magazine, homenageia pesquisadoras e cientistas que estão ajudando a mudar o mundo por meio de seus trabalhos. São histórias de mulheres que conseguiram vencer a barreira do preconceito, superar as desigualdades e fizeram a diferença no mundo acadêmico. Com sua força, vontade e perseverança, estão registrando seus nomes na ciência, com pesquisas sobre autismo, câncer, sobre a preservação do Cerrado, sobre a inserção social dos negros, o audiovisual e a inovação na farmácia.

Suas trajetórias ganham relevância porque, além de estarem contribuindo para tornar mais digno o futuro da humanidade, conseguiram êxito em diferentes campos do conhecimento, mesmo diante da cultura do preconceito. São mulheres dos saberes, que dedicam boa parte de sua vida a estudar e pesquisar para fazer do mundo um lugar melhor para se viver.