Em que pese o encaminhamento da tarifa flexível, cujo debate deve levar em consideração o equilíbrio entre a saúde financeira do sistema e a questão social, o novo sistema de bilhetagem do transporte coletivo da região metropolitana de Goiânia chega para cobrir um flanco descoberto, que é a comodidade do usuário.

A principal vantagem do conjunto de medidas apresentado ontem é a oferta de meios diferentes para a compra, recarga e pagamento, agora disponível por meio de cartão de crédito ou débito diretamente no validador do ônibus. O usuário também poderá gerar um QR Code no celular ou se preferir criar uma conta no aplicativo, cadastrando um cartão de crédito. Neste caso, o embarque e as transações serão realizadas pela tecnologia de aproximação
utilizando smartphone, smartwatch, cartão bancário ou cartão sitpass.

Esse era um dos gargalos do sistema, sobretudo para o usuário eventual. O acesso por meio do sitpass exige um certo grau de envolvimento normalmente inalcançável por turistas ou quem faz uso apenas esporádico. Trata-se de medida que facilita sobremaneira o acesso a um modal que, ano a ano, perde usuários. Ganham todos, pois.