Mais de dez anos depois de sancionada a chamada Lei Seca, seus efeitos ainda não tiveram a eficácia desejada. Reportagem nesta edição revela que nos dois primeiros meses do ano foram presas em Goiás 20 pessoas por dia, em média, por associação de álcool e volante.

O número de notificações sofreu redução, mas é impossível associar a queda à maior conscientização dos motoristas, já que ao mesmo tempo houve arrefecimento da fiscalização.

As estatísticas são a prova da importância de uma política continuada de trânsito, com foco na educação, na fiscalização e na punição rigorosa. Não é segredo para ninguém que a combinação de embriaguez com direção tem grande possibilidade de ser fatal.

Condutores alcoolizados foram responsáveis por 25 mortes só este ano em Goiânia. O dado é alarmante e traduz em números a tragédia sobre rodas que mutila, mata e dizima famílias. A fiscalização não pode afrouxar.

Os acidentes são a principal causa de morte entre crianças e jovens com idades entre 5 e 29 anos, segundo a Organização Mundial de Saúde.

Uma estatística inadmissível, com perdas que chegam a superar até as registradas em países em situação de guerra.