Duas notícias publicadas isoladamente em duas edições do POPULAR apresentam um fio condutor entre si. Na edição de ontem, levantamento da Agência Municipal de Meio Ambiente dava conta de que as reclamações por barulho em excesso dentro de casas saltaram de 7,5 mil em 2019 para 14,6 mil no ano passado - impressionantes 98% de aumento. Habituais campeões da poluição sonora, bares e boates tiveram queda de 11% no total de queixas à Prefeitura.

Nesta edição, reportagem revela que, do início do ano para cá, a Central de Fiscalização Covid-19 da Prefeitura de Goiânia interrompeu 15 festas clandestinas, a maioria descoberta por denúncias anônimas. Ambos fenômenos são reflexos da exaustão das pessoas com os sacrifícios exigidos pela pandemia, mas a situação alarmante na rede de saúde indica que é tempo de paciência - e não de afrouxamento do autocuidado.

A lentidão do processo de vacinação aumenta a angústia de quem legitimamente se sente sufocado e tolhido na juventude, mas também sinaliza um horizonte. É vital que todos sigam zelosos, de si e dos demais, até que a vida retome enfim o seu curso.