Menos de 20 horas após a divulgação de imagens agredindo a ex-mulher Pamella Holanda, o Dj Ivis ganhou 206 mil seguidores no Instagram. O nome, que era desconhecido para muitos brasileiros ganhou seguidores depois que as imagens se espalharam pelo noticiário e pelas redes sociais. Eu estou há 20 horas tentando entender o que é que faz uma pessoa começar a seguir um “artista” agressor depois de uma notícia dessas. É nesse mesmo espaço de tempo que eu estou tentando esquecer as músicas dele que eu cantava até ontem. Quando você ler esta crônica, o número pode ser ainda maior.

A cada 8 minutos, uma mulher é agredida no Brasil. Os dados são do Fórum Brasileiro de Segurança Pública que revelaram 17 milhões de mulheres agredidas em 2020, durante a pandemia. Antes e depois desse período, a minha cabeça consegue listar nomes e rostos, sabendo que são apenas alguns poucos que a gente noticiou. Eu ainda me lembro com clareza das imagens da advogada Luciana Sinzimbra sendo agredida pelo ex-namorado em 2018. Uma jovem que foi baleada no estacionamento de um hospital. Uma veterinária agredida pelo namorado, personal trainer a caminho da igreja. Tudo aqui, em Goiânia.

Ainda dói aqui no peito saber que uma colega de profissão passou por uma situação similar há poucos dias. A jornalista Silvye Alves foi agredida dentro de casa, na frente do filho. O agressor foi solto após pagar a fiança, um valor menor do que o que ela gastou para uma cirurgia de reconstituição da boca. Quanto é mesmo que vale a vida da gente? O que é mesmo que acontece com um agressor? Ganha seguidores, muda de cidade, segue a vida. A galera esquece no mês que vem? Ah, ganha contrato com time de futebol e vira garoto propaganda de canil depois do corpo da mulher ser jogado para os cachorros que nem o goleiro Bruno Fernandes. Eliza Samudio foi morta, esquartejada e jogada para os cachorros. Eu não me esqueci.

Eu conversei sobre esses casos com muita gente. E sabe uma pergunta recorrente? Ele bateu nela por quê? É isso mesmo! A galera quer saber qual foi o motivo. Não dá! Esse tipo de conversa eu não consigo ter. Até quando? A mulher é louca, descontrolada. É fácil esse discurso. O homem que bate tem um motivo, né? (contém ironia). Corre lá no Instagram, e se você seguir esse ** dá unfollow, vai. Quer continuar sabendo da história? Segue os perfis de fofoca, os jornais, segue a Pamella e deixa lá seu apoio pra ela. Ele não!