O caminhão-tanque parou e chegou o momento. A decisão de enviar o vinho para destilaria foi tomada há algumas semanas, uma decisão sofrida. Logo o vinho seria transformado em álcool desinfetante para as mãos. “Temos de carregar o caminhão agora”, disse Jérome Mader, vinicultor de 38 anos, falando para si mesmo. “Ok, não vou pensar mais nisso. Ponto final." Cabeça baixa, ele ...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários