O Chile enfrentou ontem o quinto dia seguido de protestos, apesar de um toque de recolher e de o governo ter revogado o aumento de quase 4% da passagem do metrô, que havia desencadeado as manifestações. O número de mortos subiu para 15. Criticado por dizer que o Chile estava “em guerra”, o presidente, Sebastián Piñera, prometeu anunciar “medidas sociais” para conter a c...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários