O presidente do Paraguai, Horacio Cartes, reiterou no Senado a vontade de que o país retorne para o Mercado Comum do Sul (Mercosul). "Em uma escala de um a cem, tem 500% de predisposição. Que a volta seja o quanto antes possível. A família está incompleta", destacou ao ser recebido no Senado pelo vice-presidente da Casa, senador Jorge Viana (PT-AC).

Esta foi a primeira visita oficial de Cartes ao Brasil. Mais cedo, ele encontrou com a presidente Dilma Rousseff. Após almoço com autoridades no Itamaraty, seguiu para o Congresso. Ele esteve reunido com o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). O presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Ricardo Ferraço (PMDB-ES), concordou com o paraguaio e destacou: "A família está mesmo incompleta, mas logo estará completa."

O Paraguai ficou suspenso do bloco entre a metade do ano passado e julho deste ano porque os líderes políticos da Argentina, do Brasil e do Uruguai discordaram da forma como o então presidente Fernando Lugo foi destituído do poder. Com o processo eleitoral e a vitória de Cartes, que tomou posse em 15 de agosto, a suspensão foi extinta, mas o país ainda não retornou ao bloco.