Por mais de 15 anos, a ativista e cinegrafista iraniana Mahnaz Alizadeh militou em favor dos direitos da mulher. Nesse período, esteve presa, sofreu ameaças e, recentemente, viu a sua mentora, a advogada Nasrin Sotoudeh, ser condenada a 38 anos e 148 chicotadas. Traumatizada, decidiu emigrar para o Canadá, mas acabou em uma cela superlotada e controlada pela facção c...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários