Uma das maiores tragédias de saúde pública do oeste africano faz um ano amanhã, com um número de mortes que superou a casa dos dez mil, batendo um recorde absoluto e mergulhando três países (Guiné, Libéria e Serra Leoa) em uma crise da qual ainda não se sabe quando vão sair. A organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF), que enviou m...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários