Por puro preconceito, quem conversa com o arquiteto André Brandão, 44 anos, não imagina aquele sujeito de fala mansa, quase arrastada, num show de música eletrônica. Pois é exatamente para onde ele se transporta três vezes por semana quando calça o tênis, coloca o fone de ouvido e sai para correr. A escolha da música tem a ver com o beat acelerado que geralmente ma...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários