“Costumo pensar que sou 10% português, 20% moçambicano e 30% brasileiro”, diz Ruy Guerra, que chega aos 90 anos em agosto e é homenageado este ano pelo festival É Tudo Verdade. Mas e os outros 40%? São a angústia do imigrante, de estar sempre em solo estrangeiro. “Nasci em Moçambique, então já era um português de segunda classe. Quando fui para Portugal, era a di...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários